Estudando o Espiritismo

Observe os links ao lado. Eles podem ter artigos com o mesmo tema que você está pesquisando.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

NÃO SE PODE SERVIR À DEUS E A MAMON

"NÃO SE PODE SERVIR À DEUS E A MAMON" - disse Jesus

O texto "Não se pode servir a Deus e a Mamon" está no cap. XVI do O Evangelho Segundo o Espiritismo.
Mas, quem foi Mamon?
R: Mamon era um dos deuses adorados pelos sírios, na antiqüidade. Ele representava as riquezas. Por isso, suas estátuas eram fundidas em ouro ou prata.
Por isso Jesus disse: “Ninguém pode servir a dois senhores, porque aborrecerá a um e amará a outro ou se unirá a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e as riquezas.”
Lendo estas palavras, parece que Jesus tinha horror à riqueza e muita má vontade com os ricos. O que não é verdade.
Ao proclamar que não se pode servir a Deus e às riquezas, o Mestre refere-se ao problema do apego. É bem próprio das tendências humanas que o indivíduo, quanto mais ganhe, mais deseje ganhar. E, quanto mais se empolga pelas riquezas, menos sensível se faz às misérias alheias. Então, complica-se, porque, ao invés de servir-se da riqueza para aproximar-se de Deus, afasta-se de Deus por servir à riqueza.

Vejamos estes dois exemplos:
A Condessa Paula, que está no livro O Céu e o Inferno, que enquanto encarnada foi bela, rica, de família ilustre, de qualidades intelectuais e morais. Ela era boa, meiga e indulgente, soube administrar a fortuna levando grande parte aos necessitados. Em sua comunicação mediúnica disse:
“ . . . ricos, tenham sempre em mente que a verdadeira fortuna imorredoura, não existe na Terra; procure antes saber o preço pelo qual possa alcançar os benefícios do Todo-Poderoso.”
Já no O Evangelho Segundo o Espiritismo, temos o depoimento da Rainha de França, que não soube administrar a riqueza para o bem, e se utilizava de seu poder para humilhar seus súditos. Sua comunicação após a desencarnação dizia assim:
“ Quem melhor do que eu poderá compreender as palavras de Nosso Senhor, quando Ele disse: ‘Meu Reino não é deste mundo?’ O orgulho me perdeu sobre a Terra; quem, pois compreenderia a insignificância dos reinos deste mundo, se eu não o compreendesse? Que carreguei comigo da minha realeza terrestre? Nada, absolutamente nada; e como para tornar a lição mais terrível, ela não me seguiu até o túmulo! Rainha eu fui entre os homens, rainha eu acreditava entrar no Reino dos Céus. Que desilusão! Que humilhação, ao invés de ser recebida como soberana, vi acima de mim, mas bem acima, homens que eu acreditava pequenos e que desprezei porque não eram de um sangue nobre. . .”

Por isso, Pascal disse: “O homem não possui seu, senão aquilo que pode levar deste mundo. O que é, então, que possuímos? Nada do que se destina ao uso do corpo, e tudo o que se refere ao uso da alma: a inteligência, os conhecimentos, as qualidades morais . . .”

"O problema é quando o dinheiro deixa de ser um meio de vida e se converte na finalidade dela, quando deixamos de ser senhores do dinheiro e nos transformamos em escravos dele.
O portador de dinheiro amoedado esquece que está na Terra para evoluir, não para acumular bens materiais de que jamais usufruirá, ainda que estenda por milênios a jornada humana." (Richard Simonetti)


Compilação de Rudymara

sábado, 10 de junho de 2017

Histólise corporal – Cremação – Suicídio e Histogênese Espiritual

http://www.correioespirita.org.br/categorias/ciencia-e-espiritismo/2052-histolise-corporal-cremacao-suicidio-e-histogenese-espiritual


 Djalma Santos


               Logo depois da morte, ocorrem muitos fenômenos ainda desconhecidos do homem terreno e que necessitam ser estudados com carinho, por todos aqueles que já têm a certeza de que a morte virá, de preferência de surpresa, atordoando pobres e ricos, nobres e plebeus, numa ação devastadora incansável de transformar, porque esse é o seu papel diante da natureza e da vida, cabendo à matéria-prima visualizada por ela, que somos nós, o esforço para compreendê-la e assimilá-la, através de um estudo sério, que inclui a parte física, científica e moral.

            Educar-se para morrer é um imperativo biológico e espiritual que todo homem deveria entender; estudando minuciosamente as funções vitais do corpo físico, o único elemento a ser atingido pela morte; como também, o estudo sobre o perispírito e sobre o espírito imortal, que é na realidade, o organizador e mantenedor da roupagem física, seu instrumento de evolução no campo da matéria grosseira.

            Momentos depois da morte física, ocorre o primeiro fenômeno intitulado “Histólise Corporal”, que é a putrefação e decomposição gradativa dos restos mortais que, destituído do princípio vital que o animava, perde as prerrogativas de vida, e todo o arcabouço celular se desfaz, através de uma ação fermentada nos músculos e no estômago, e uma ação reduzida no sistema nervoso e circulatório.

            A “Histólise Corporal” conta também com os bilhões de vermes, que se encontravam em estado letárgico nas células do corpo físico, e que se afloram tão logo ocorre a morte, iniciando um processo voraz de destruição da matéria agregada para formar o aparelho fisiológico. É muito importante o estudo da “Histólise Corporal”, porque existem casos em que os desencarnados presenciam esse fenômeno, ocasionando sofrimentos terríveis para o espírito em desequilíbrio mental, que vê através da vista espiritual, o corpo físico ser consumido pelos vermes, pelo fogo, pela água e outros meios anormais de decomposição.

            Isto nos leva a termos mais cuidados com o processo de “Cremação” de cadáveres, muito em moda sem que se obedeça algumas regras, ou mesmo sem o consentimento, em vida, do dono dos restos mortais a serem incinerados. Países do primeiro mundo, como os Estados Unidos, Inglaterra, Suíça e França, não só queimam os cadáveres, como também já existe um processo de transformar as cinzas dos mortos em joias, que os familiares utilizam no pescoço em forma de cordões e nos dedos em forma de anéis. Descobriram que as cinzas podem ser transformadas em diamantes, com um custo de milhares de dólares, só para se dizer que carrega nos dedos o próprio pai, ou no pescoço a própria mãe. Os corpos a serem incinerados devem esperar um tempo mínimo de 72 horas para que o perispírito possa se desagregar totalmente do corpo físico.                                                    

             Os suicidas, criminosos de alta periculosidade ou sensuais ferrenhos podem vivenciar, depois da morte, a triste surpresa de acompanhar a decomposição do corpo físico; mas as pessoas que vivenciaram uma vida de trabalho, solidariedade e compartilhamento, dificilmente visualizam esses quadros deprimentes da vida espiritual. Grande parte dos desencarnados acompanham seus restos mortais até o cemitério e presenciam o próprio enterro, e somente os maldosos, cruéis, sensuais, corruptos, assassinos e ladrões sofrem com essa experiência após a morte.

            Nenhum espírito, nem mesmo os iluminados, desaparece como por encanto depois da morte, e sim permanece por algum tempo, junto àqueles que lhes são caros, só se distanciando quando sentirem atraídos por novas aventuras no campo de espírito, que está só, mas acompanhado por amigos, membros da parentela familiar e principalmente pelo seu anjo da guarda. É importante lembrar que o impacto da morte atinge a todos sem exceção, respeitando é claro, o grau de conhecimento e evolução de cada um, assim como a capacidade de assimilar em curto espaço de tempo, o desequilíbrio provocado pela morte do corpo somático.

            O segundo fenômeno que ocorre depois da morte é a “Histogênese Espiritual”, ou seja, a formação do “Corpo Espiritual”, o momento em que o perispírito se agrega fora do corpo físico, se transformando num corpo de fótons, num corpo de luz, apresentando a forma humana. Esse fenômeno não deveria ser desconhecido pelo homem, porque na Bíblia, nas Cartas de Paulo, ele diz aos Gentios que: Semeia-se corpo físico e colhe-se corpo espiritual, e o corpo espiritual é o corpo da ressurreição.

             Paulo, o maior seguidor de Jesus de todos os tempos, deixa claro que depois da morte, vamos ressuscitar como aconteceu com Jesus, mas não com um corpo de carne como preveem muitas religiões, mas com um corpo de fótons, de luz, e o melhor, com a forma humana. Esse novo corpo do espírito imortal, que já se encontrava agregado ao corpo físico, será o novo instrumento do espírito imortal, nas novas dimensões do espaço infinito de Deus. É ainda através desse corpo fluídico que se processam as modalidades mediúnicas, desde que se possa contar com a presença de um sensitivo, que vulgarmente chamamos de médium.

            A “Histólise Corporal” e “Histogênese Espiritual” processam-se automaticamente depois da morte, mas nem todos os espíritos passam por esse processo com naturalidade, porque nossas faltas diante da vida, leves, médias ou graves, influenciam a rapidez ou a demora nesses processos de transformação, e muitas vezes, alguns espíritos levam horas, dias, meses e até anos para completar com naturalidade esses processos de desorganização e organização depois da morte. Espíritos evoluídos, que pautaram suas vidas pela ética e convivência junto aos outros, realizam a desagregação das moléculas e a agregação em minutos, e muitos deles se manifestam mediunicamente logo após a morte. Herculano Pires, escritor, jornalista e palestrante espírita, deixou uma mensagem 15 minutos depois de sua morte, demonstrando estar totalmente lúcido depois de seu desencarne.

            Quem consegue realizar com equilíbrio os dois fenômenos com naturalidade, se adapta com muita facilidade ao mundo espiritual, que em síntese é o mundo dos pensamentos, exigindo, portanto, uma mente forte, calcada no cumprimento dos deveres e ordenações humanas. O “Corpo Espiritual” ainda carrega consigo parte da matéria grosseira, sendo portanto diferente da energia que reveste o espírito imortal, e só com as reencarnações sucessivas e a iluminação gradativa é que o perispírito vai se rarefazendo, tornando-se etéreo e sutil, integrando depois de muito tempo a estrutura eletromagnética do espírito imortal, esse viajor da eternidade, esse nômade do espaço, esse andarilho do infinito de Deus.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

DEUS ACEITA-NOS COMO SOMOS

DEUS ACEITA-NOS COMO SOMOS
_____________________________________________
Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti (...) Lucas, 15:18

(...) Deus nunca abandonou ninguém. Sua onipotência é perfeita e sábia, sua bondade é incondicional e justa. Quando nos sentimos abandonados, em verdade, nós próprios perdemos o elo com Deus. Deixamos de entender seus chamados ou não estamos querendo aceitar-lhe a vontade soberanamente realista e necessária ao nosso aprimoramento. Deus aceita-nos como sempre somos.(...) (Para Sentir Deus - Wanderley Oliveira - pelo espírito Ermance Dufaux)

PAI E AMIGO


“E, levantando-se, foi, para seu pai; e, quando ainda estava longe, o pai chegou a vê-lo, moveu-se de íntima compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou.” - Jesus

(LUCAS, 15:20)

Sendo, ainda, Espíritos imperfeitos buscando o aperfeiçoamento, é natural que vez ou outra nos sintamos entristecidos e até desanimados diante de situações, onde percebemos que não agimos da forma como deveríamos.

Nesses momentos, procuremos lembrar que o amor de Deus, Nosso Pai, nunca falta e que Ele conhece as nossas dificuldades, por isso, proporciona a todos a oportunidade do reajuste.

A Parábola do Filho Pródigo, na qual esta lição se baseia, fala à Humanidade da bondade sem limites, da caridade infinita de Deus.
As individualidades que representam o Filho Obediente e o Filho Desobediente simbolizam a Humanidade da Terra. O Pai de ambos simboliza Deus.
Esta simples alegoria, demonstra o amparo e a proteção que Deus sempre reserva a todos os seus filhos. Nenhum deles é abandonado pelo Pai, tenha os defeitos, as dificuldades que tiver, pratique as faltas que praticar, porque somos todos criaturas suas.
Estejam os filhos onde estiverem, encarnados ou desencarnados, o Pai a nenhum despreza, a nenhum abandona , por que nos criou para sermos felizes e desfrutarmos do seu Amor, e não para sofrermos indefinidamente.

A Lei de Deus é igual para todos: não poderia ser boa para o bom e má para o mau, porque tanto o bom quanto o que é mau estão sob as vistas do Criador, que faz o mau se tornar bom, e o bom se tornar melhor, pois tudo é criado para glorificá-Lo.
Nas Leis de Deus não há privilégios nem exclusões, porque todos foram criados iguais e com as mesmas oportunidades de crescimento, de aperfeiçoamento.

Quando a criatura humana, num momento de irreflexão se afasta das Leis Divinas, e se entrega a toda sorte de dissoluções, a dor e a miséria, esses terríveis aguilhões do Progresso Espiritual ferem a sua alma orgulhosa até que num momento supremo de angústia, ela possa elevar-se para Deus e decidir voltar ao caminho que leva à perfeição.
É então que, como o filho pródigo, o homem transviado, arrependido, volta-se para o Pai carinhoso e diz: “Pai, pequei contra Ti, já não sou digno de ser chamado seu filho...” E Deus, nosso amoroso Criador, abre àquele filho as portas da regeneração e lhe possibilita tudo o que for necessário para esse grandioso trabalho da perfeição espiritual.

A citação evangélica, acima, convida a que nos fixemos no ensinamento de Jesus, enunciando o retorno do filho pródigo aos braços do pai, que o esperava sem exigir desculpas, sem impor qualquer condição, apenas aguardava que o filho se levantasse e desejasse o calor do seu coração.

Portanto, não desanimemos diante dos enganos, que mesmo sem querer , possamos cometer. Guardemos no íntimo a certeza de que Deus, Nosso Pai, não abandona a nenhum de seus filhos, seja ele quem for.
Não há falta, por maior que seja, que não possa ser reparada.
Tudo se corrige, tudo se transforma do pequeno para o grande, do mau para o bom, das trevas para a luz, do erro para a verdade.
Ao impulso do progresso tudo se aperfeiçoa, tudo evolui, todas as almas caminham para Deus.

Maria Aparecida Ferreira Lovo
Setembro / 2009

Bibliografia:
1 - XAVIER, Francisco C., pelo Espírito Emmanuel. Palavras de Vida Eterna.14. ed., Uberaba-MG: CEC, 1990, lição 89 Parábolas e Ensinos de Jesus, Cairbar Schutel,” Parábola do Filho Pródigo”

Filhos pródigos - Emmanuel - Pão Nosso


E caindo em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! – (Lucas, 15:17.)

Examinando-se a figura do filho pródigo, toda gente idealiza um homem rico, dissipando possibilidades materiais nos festins do mundo.

O quadro, todavia, deve ser ampliado, abrangendo as modalidades diferentes.

Os filhos pródigos não respiram somente onde se encontra o dinheiro em abundância.

Acomodam-se em todos os campos da atividade humana, resvalando de posições diversas.

Grandes cientistas da Terra são perdulários da in teligência, destilando venenos intelectuais, indignos das concessões de que foram aquinhoados. Artistas preciosos gastam, por vezes, inutilmente, a imaginação e a sensibilidade, através de aventuras mesquinhas, caindo, afinal, nos desvãos do relaxamento e do crime.

Em toda parte vemos os dissipadores de bens, de saber, de tempo, de saúde, de oportunidades…

São eles que, contemplando os corações simples e humildes, em marcha para Deus, possuídos de verdadeira confiança, experimentam a enorme angústia da inutilidade e, distantes da paz íntima, exclamam desalentados:

– Quantos trabalhadores pequeninos guardam o pão da tranqüilidade, enquanto a fome de paz me tortura o espírito!

O mundo permanece repleto de filhos pródigos e, de hora a hora, milhares de vozes proferem aflitivas exclamações iguais a esta.

Cair em si

Cair em si


Inegavelmente, as parábolas de Jesus são um manancial de aprendizado e beleza, porquanto são narrativas simples, mas de conteúdos espiritual e moral inigualáveis, sendo que permitem ao leitor ou ao ouvinte a identificação espontânea com o sentido ético da lição.

Jesus raramente apontava os erros individuais, pois sabe que o ego possui mecanismos automáticos de defesa, dentre eles, a negação, de tal sorte que, com as parábolas, facultava à criatura humana, de acordo com seu nível de maturidade, o reconhecimento e a análise de seus desvios morais e equívocos existenciais.

Dentre as parábolas narradas no evangelho, destaco a do filho pródigo, porque representa a síntese da evolução espiritual, permitindo-nos uma profunda reflexão a respeito de como anda a nossa atual existência física.

A benfeitora Joanna de Ângelis, na obra “Em Busca da Verdade”, pela lavra mediúnica do confrade Divaldo Pereira Franco, escreve sobre a referida parábola, dando-nos diversos enfoques sobre a conduta de cada personagem, tornando a parábola ainda mais rica e bela de ensinamentos. Fica registrada a sugestão para a leitura da obra mencionada.

A parábola expõe o momento em que o filho pródigo, imaturo e impulsivo, opta por sair da casa do genitor para viajar a um país longínquo, onde gasta sua parte da herança com leviandades e prazeres materiais. Após consumir-se nas paixões e gastar todo seu recurso econômico, vê-se diante de um período de fome que se instalara naquela região. Privado de tudo e passando necessidades, começa a trabalhar com porcos, vindo a disputar a comida com eles. Porém, chega o momento em que o filho pródigo cai em si e retorna à casa do pai, onde é acolhido com imensa ternura e amor.

 Essa parábola explica claramente o processo do deotropismo, isto é, fomos criados por Deus, portanto, saímos “das suas mãos”, mas, por imaturidade e ignorância, perdemo-nos na estrada da evolução e afastamo-nos dEle, até o momento em que, extenuados pelo sofrimento e famintos de amor e conhecimento, caímos em nós e optamos por voltar à casa do Pai Celestial, que, generoso e confiante, sempre nos aguardava.

Cair em nós significa o exato momento em que ocorre o despertar da consciência.

A consciência desperta quando identificamos que somos Espíritos imortais a caminho da plenitude e que a vida no corpo tem um sentido ético, devendo abranger o crescimento intelecto-moral.

Obviamente que é o primeiro passo na direção de regresso a Deus, pois outros desafios evolutivos surgirão, tais como, libertar-se dos conflitos cultivados, harmonizar o eixo ego-self, eliminar os defeitos morais e converter o despertar da consciência em atitudes renovadas sob a égide do amor.

No capítulo quarto da citada obra, Joanna de Ângelis compara o despertar da consciência com o mito da expulsão do paraíso.

Enquanto vivemos, simbolicamente, no jardim do Éden, o ego (carga de egoísmo presente no inconsciente, fruto da evolução nos reinos inferiores da criação) toma todo o espaço do Self (ser espiritual que contém o germe divino para a plenitude), gerando uma vida materialista, de acomodação e deleite. Era a conduta do filho pródigo, cuja consciência ainda estava adormecida.

Notemos que Adão e Eva não trabalhavam, porque o necessário para as suas sobrevivências estava à disposição no Éden. Todavia, após comerem o fruto da árvore proibida (mito), foram expulsos do paraíso, e Deus condenou Adão ao trabalho.

A partir dessa ocorrência, Adão passa a descobrir o valor do trabalho e do esforço, na medida em que tudo o que necessita passa a ser fruto do merecimento, portanto, há o despertar da consciência.

Assim ocorre conosco. Quando os ensinamentos de Jesus preenchem os vazios da alma, passamos a trabalhar em favor do nosso crescimento espiritual, na busca dos valores imperecíveis que dignificam a nossa vida. Na simbologia de Joanna de Ângelis, passamos a ser um novo Adão, isto é, um homem novo, com ideais bem definidos, procurando mais servir do que ser servido.

Caímos em nós e redefinimos o rumo de nossa vida como ser imortal destinado à plenitude, porque começamos a regressar à Casa do Pai, nesse processo de integração com o Arquétipo Primordial, razão pela qual Jesus disse que Ele e o Pai eram um só (perfeita integração).

Paulo de Tarso, ao cair em si, verbalizou “já não sou eu que vivo, mas é o Cristo que vive em mim”, porque integrou-se com o pensamento de Jesus e, por consequência, de Deus.

Anote-se que ao cair em si é natural que surjam as culpas, que, do ponto de vista psicológico, é produtiva desde que bem direcionada.

Joanna de Ângelis fala do “Eu-Angélico” (recursos divinos em nossa intimidade), que estimula a culpa, pois a presença desta é sinal de instalação do despertar da consciência, que nos aponta o certo e o errado, o bem e o mal proceder.

Diante da presença da culpa, cabe-nos não repetir o erro e reparar o mal causado, se possível. Caso não seja, basta fazer o bem em favor de alguém ou da vida, porquanto a ação fraterna é ponto positivo na contabilidade divina a anular ou amenizar o mal causado (o amor cobre a multidão de pecados – Simão Pedro).

À medida que vamos evoluindo, aproximamo-nos cada vez mais de Deus, tornamo-nos mais livres e felizes, uma vez que começamos a superar os impulsos inferiores e as tendências agressivas, bem como não permitiremos que o mal dos maus nos atinjam. Isto é ser livre. Não permitir que os outros afetem a serenidade interior conquistada a partir do cair em si.

O Espírito de Joanna de Ângelis ainda nos apresenta Jesus como sendo o filho pródigo do amor, haja vista que se afastou das regiões celestes (Casa do Pai) e foi para o país longínquo da matéria densa, vivendo com a ralé (pigmeus morais – simbologia do porco na parábola). Ensinou a criatura humana a dissipar a sombra individual, mas foi incompreendido e crucificado, voltando, rico de bênçãos, à Casa do Pai.

Todavia, seus ensinos permanecem como lições vivas de esperança e júbilo, tendo suas parábolas contribuído para esse cenário, auxiliando-nos no processo inevitável do cair em si, com o escopo de renovação moral.

Para os espíritas, cujo despertar da consciência foi mais intenso em virtude dos conhecimentos amealhados a partir do Espiritismo, percebemos que o cair em si se dará diante dos mínimos erros, porque a consciência, de imediato, apontará que não procedemos conforme deveríamos.

O Espírito de Bezerra de Menezes fala-nos sobre o ousar no bem, dar um passo além, de forma que o verdadeiro cristão, por ter caído em si, sabe que pode fazer mais em favor do amor e da paz, sobretudo, dulcificando a própria conduta.

Frise-se que o processo do cair em si não é um episódio único, mas inicia-se com o despertar da consciência, cuja extensão vai se ampliando na exata proporção do nosso esforço em favor da busca do conhecimento e da vivência do amor. “Conhecereis a verdade e ela vos libertará” dos equívocos, da ignorância. Naturalmente, chegará um momento da evolução em que não mais precisaremos cair em nós, pois a consciência e a conduta estarão perfeitamente afinadas com as diretrizes do evangelho.

O tema e a parábola em questão são profundos, de forma que caberiam outros apontamentos, mas fica o convite para o autoencontro, cientes de que o Pai Generoso nos aguarda sempre, amoroso e gentil, cabendo a cada um de nós apressar esse retorno, sobretudo pelas escolhas acertadas e por uma vida pautada pela pureza de coração. “Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus”.

A PARÁBOLA DO FILHO PRÓDIGO


       Um certo homem tinha dois filhos, que com ele moravam no seu lar.
       Um dia, o mais moço disse ao seu pai:
       — Papai, dá-me a parte da tua riqueza que me pertence. Eu desejo correr mundo, viajar por outras terras, conhecer nova gente…
       O velho pai, diante desse pedido, repartiu com am­bos os seus haveres, dando a cada um a parte que lhes cabia, de sua fortuna.
       Alguns dias depois, o filho mais novo, juntando todas as coisas que lhe pertenciam, partiu para um país distante, muito longe de sua terra natal.
       Esse moço, infelizmente, não era ajuizado. Mal chegou ao país estrangeiro, começou a gastar, sem cuidado, todo o dinheiro que possuia. Durante mui­tos dias não fez senão desperdiçar tudo que tinha. Buscou a companhia de outros rapazes desajuizados e consumiu toda a sua fortuna em bebidas, teatros e passeios. Um dia, viu que a última moeda havia desaparecido e se achava na mais absoluta miséria.
       Foi nessa época que uma grande seca reduziu aquele país a uma situação tristíssima. Com a seca, veio a fome. Mesmo nos lares ricos havia falta de pão. A miséria se estendeu, desoladora…
       O pobre rapaz, então, buscou um homem daquele país, contou-lhe sua desgraça e pediu-lhe a esmola de um emprego qualquer, mesmo que fosse o pior servi­ço. E o homem desconhecido o enviou para seus cam­pos a fim de guardar porcos. Os porcos se alimen­tavam de alfarrobas, que são frutos de uma árvore chamada alfarrobeira; mas, nem mesmo desses fru­tos davam ao pobre moço. Os porcos se alimenta­vam melhor do que ele!
Foi então que o moço começou a pensar no que havia feito com seu bondoso pai, tão amigo, tão com­preensivo, tão carinhoso… Refletiu muito… Como fora mau e ingrato para com seu paizinho! Como fora também ingrato para com Deus, desrespeitando o Seu Mandamento, que manda honrar os pais ter­renos… Sofrendo a conseqüência de seu pecado, o pobre rapaz arrependeu-se sinceramente de sua in­gratidão e de seus dias vividos no erro e no vício…
E pensou, então, entre lágrimas:
— Na casa de meu pai há muitos trabalhadores e todos vivem felizes pelo trabalho honesto. Vivem com abundância de pão e tranqüilidade… E eu, aqui, morrendo de fome!… Não, não continuarei aqui. Voltarei para minha casa, procurarei meu pai e lhe direi: “Meu pai, pequei contra o Céu e perante ti; não sou mais digno de ser chamado teu filho. Quero ser um simples empregado de tua casa …
E o moço, como pensou, assim fez.
Abandonando o país estrangeiro, regressou àsua pátria e ao seu lar. Foi longa, difícil e triste a volta, pois ele não mais dispunha de dinheiro para as despesas de viagem. Passou muitas necessidades, sofreu fome e frio, dormiu nas estradas e nas flores­tas… Nunca abandonou, porém, a idéia de que vol­tar para casa era seu primeiro dever.
Finalmente, chegou ao seu antigo lar. Antes, porém, de atingir sua casa, seu velho pai o avistou de longe e ficou ainda mais compadecido, ao ver o filho naquele estado de grande miséria. Seu coração pa­terno, que nunca esquecera o filho ingrato, era todo piedoso. O bondoso pai correu, então, ao encontro do moço. E abraçando-o fortemente, beijou-o com imenso carinho.
Nesse momento, com lágrimas nos olhos, o filho disse ao seu pai compassivo:
— Meu pai, pequei contra o Céu e perante ti. Não sou mais digno de ser chamado teu filho. Quero ser um empregado de tua casa…
O bondoso pai, porém, que nunca deixou de amar seu filho, disse aos empregados da casa:
— Depressa! Tragam a melhor roupa para meu filho, preparem uma refeição para ele. Tragam-lhe calçado novo! Comamos todos juntos e alegremo­-nos, porque este meu filho estava perdido e foi acha­do, estava morto e reviveu!
E todos os servos e empregados da casa atende­ram imediatamente o velho pai e houve imensa ale­gria naquele grande lar.
O filho mais velho, porém, não estava em casa.
Achava-se trabalhando no campo. Quando voltou e viu aquela grande movimentação no interior da casa e ouviu as belas canções que os músicos acompanha­vam com seus instrumentos, chamou um dos servos e perguntou o que era aquilo.
O servo respondeu:
— Foi teu irmão que chegou. Teu pai, de tão alegre e feliz, mandou que preparássemos uma ceia e uma festa, porque o jovem voltou são e salvo.
O filho mais velho, cheio de ciúme, revoltou-se contra a bondade de seu pai e não quis entrar em casa.
Em vão, o velho pai chamou-o. Mas, ele lhe res­pondeu:
— Meu pai, há muitos anos que te sirvo, sem nunca te desobedecer e nunca preparaste uma ceia para mim e meus amigos. Mas, para meu irmão, que gastou teu dinheiro nas orgias, em terra estrangeira, tu lhe preparas uma grande festa…
O bondoso pai, querendo vencer a revolta do filho, desviá-lo do seu ciúme e incliná-lo à bondade e ao perdão, disse-lhe:
— Meu filho, tu estás sempre comigo e tudo que émeu é teu também. Mas, é justo que nos alegremos com a volta de teu irmão, que é também meu filho como tu. Lembra-te de que ele estava perdido e foi achado. Estava morto e reviveu para nosso amor e para nosso lar.

*

Querida criança: certamente você entendeu tudo que o Senhor nos quer ensinar com a Parábola do Filho Pródigo.
Deus é como o Bondoso Pai da história. Deus é bom, supremamente bom e está sempre disposto a receber Seus filhos arrependidos. É preciso, contudo, que o arrependimento seja verdadeiro como o do fi­lho caçula da história.
Percebeu como foi triste para o moço abandonar seu pai e seu lar? Viu como ele sofreu no país estran­geiro, onde nem mesmo teve as alfarrobas que os porcos comiam?
Assim acontece também com as almas que aban­donam os retos caminhos de Deus. Sofrem muito, pois quem se afasta do dever e da virtude conhecerá, mais cedo ou mais tarde, as dores do remorso e as tristezas da vida.
Arrependendo-se sinceramente, no entanto, Deus o escuta e usa de bondade a alma arrependida, como o pai da parábola, que é um símbolo de nosso Pai do Céu.
Que você se conserve no bom caminho, meu fi­lho. Mas se sentir que pecou contra Deus ou contra os homens, arrependa-se com a mesma humildade do filho pródigo. Nunca imite o filho mais velho da história, que era ciumento e orgulhoso e não teve compaixão do próprio irmão arrependido.
Deus é nosso Pai Compassivo e Eternamente Amigo. Não nos ausentemos nunca de Seu Amor. Mas, se errarmos, corramos para Ele, na estrada da oração sincera, com o coração arrependido e disposto a não errar mais. Ele nos ouvirá e virá ao nosso encontro, porque não há ninguém tão bom quanto Deus. Nem há quem nos ame tanto quanto Ele.